Cultivo da Cerejeira

Cultivo e tratamento da Cerejeira
A cerejeira (Prunus avium) pertence à família Rosaceae. É uma árvore de clima temperado, com folha caduca, bastante rústica, é cultiva em muitas das regiões da Europa e da Ásia Ocidental.

Os pequenos frutos das cerejeiras são conhecidos por cerejas, a sua coloração varia entre o amarelo e várias tonalidades de rosado, desde o claro ao quase negro. A cerja doce apresenta uma polpa macia e suculenta. A cerja ácida é conhecida por ginja (Prunus cerasus), possui a polpa mais firme, é usada principalmente em conservas, licores, doces e geleias. Leia também: Benefícios da cereja para a saúde.

Solo e localização ideal da cerejeira


O cultivo da cereja é realizado em regiões de Invernos frios. A árvore necessita de 800 a 1000 horas de frio para produzir satisfatoriamente, contudo já existem variedades que requerem menos horas de frio. Na hora de compra é importante esclarecer este ponto com o viveirista, de modo a comprar uma cerejeira adequada ao clima da sua região.

O local escolhido deve ser soalheiro e se possível protegido dos ventos fortes.
É tolerante a vários tipos de solos, desde que apresentem boa drenagem, a cerejeira não suporta o encharcamento. Os solos profundos, móveis, fresco e com bom aporte de matéria orgânica, com pH entre os 6,7 e os 7,5, são os mais apreciados por esta árvore de fruto.
Os solos delgados, leves, arenosos e delgados, são os menos indicados para esta frutífera.

Manutenção e poda da cerejeira


Tradicionalmente a maioria das árvores podam-se no Inverno, a cerejeira não. O lenho da cerejeira cicatriza muito mal e fica susceptível a doenças como o cancro bacteriano e a monoliose. A poda da cerejeira deve ser realizada na Primavera, quando os gomos iniciam a rebentação ou após a apanha do fruto. Os cortes devem ser oblíquo-os e nas junções com outros ramos o corte deve ser raso.
A cerejeira não reage bem à poda de grandes ramos, corte apenas o estritamente necessário. Quando cortar ramos com diâmetro superior a 5 centímetros, aplique um unguento sobre as seções de corte (pode ser com tinta látex, silicone ou outro material que estanque) .

O principal objetivo da poda da cerejeira é eliminar ramos cruzados, secos ou com sinais de doença e clarear o centro da árvore. Manter a copa aberta vai permitir que os raios solares abranjo melhor todos os ramos e promove um maior arejamento, deste modo previne-se algumas doenças e incentiva-se  floração.
Se houver frutos ou flores na altura da poda, corte acima dois grupos de folhas, de modo a manter a seiva nesta região.

Outro modo de abrir a copa passa por puxar os ramos para baixo, a tarefa deve ser feita com cuidado, de modo a não os esgalhar. Espete uma estaca no chão, prenda uma borracha no ramo que pretende curvar, passe um fio ou arame na borracha e ate à estaca no chão. Esta técnica aplica-se a árvores jovens.

Tome atenção ao musgo que se vai formando, ele alberga algumas pragas e fungos. Remova-o com ajuda de uma escova de roupa ou com um jato de água.

Doenças e tratamentos da cerejeira


O cancro bacteriano é a enfermidade que causa maiores prejuízos. Carateriza-se pela secura de um ramo ou mesmo do tronco e na Primavera e Verão verifica-se a saída de um goma em alguns pontos. Elimina-se a parte doente, executando o corte na madeira sã e desinfeta-se a seção de corte com uma pasta cúprica.
É recomendado realizar 3 tratamentos no Inverno, principio, meio e fim da queda das folhas. Esta medida permite prevenir doenças como cancro bacteriano e monoliose. Veja a nossa sugestão: Utilidade e preparação da calda bordalesa.

As pragas mais clássicas das cerejeira ocorrem no fruto, são as famosas moscas da cereja que resultam nas pequenas larvas brancas. Vivem no solo e com o aumento da temperatura começam a eclodir. As fêmeas acasalam com os machos e fazem a postura nas cerejas. Porém é possível preveni-las ou pelos menos amenizá-las, usando armadilhas sexuais ou garrafas mosquiteiras. Sugerimos que veja a nossa proposta: Armadilhas para eliminar a mosca da fruta.

As subidas de temperatura favorecem o aparecimento de pulgão. Vigie a aparência das folhas da cerejeira, se elas começarem a encarquilhar e a mostrarem-se pegajosas é sinal de pulgão. Pulverize a árvore com uma calda de sabão ou calda de mamona (veja como preparar a calda de mamona). Se o ataque  for forte faça uma cura com inseticida adequado e recomendado por técnicos especializados.

Fertilização da cerejeira


A cerejeira aprecia um bom aporte de nutrientes para se desenvolver e frutificar. Requer suplementos orgânicos que lhe forneçam nitrogênio, fosforo, potássio e micronutrientes em quantidades adequadas. Coloque o fertilizante escolhido à volta da copa da árvore. Se escolher fazer a fertilização com um adubo químico, coloque-o em pequenas covas à volta da árvore e cubra com terra.

Faça uma cobertura com matéria morta à volta da árvore, sem deixar que ela toque no tronco. Esta camada vai favorecer a fertilidade do solo e manter a humidade, além de reduzir a ocorrência de ervas daninhas.

Floração da cerejeira


A floração da cerejeira é breve mas exuberante, as flores vão do branco ao rosa. Em Portugal a floração da cerejeira começa em Março, em Maio começam a aparecer as primeiras cerejas e conforme as variedades, continuam no decorrer de Junho e eventualmente alguma em Julho.

As variedades tradicionais necessitam de outras plantas polinizadoras, e quando não existem outras cerejeiras nas proximidades elas não produzem frutos.
Atualmente existem variedades autoférteis, estas conseguem autofertilizarem-se e produzem frutos mesmo quando estão isoladas.
Na época de floração é importante a presença de colmeias por perto, aprimoram a polinização.

A estação das cerejas é curta, mas o escalonamento permite desfrutar este fruto por mais tempo. A produção é escalonada conforme a variedade, entre as as cereja do cedo e tardias decorem 8 a 10 semanas.

Algumas variedade de cerejeiras ordenadas segundo a época de amadurecimento:

Abril: Lisboeta.
Maio: Bigareau Hatif Burlat, Linda de Fontelo, Moreau, Quatro Setenta, Francesa de Alenquer.
Maio/Junho: Bigareau Napoléon, Sum mit.
Junho: Bigareau D´or, Bigareau Gross Coeuret, Ginja cor vermelha, Napoléon Blanc, Van.
Junho/Julho: Bical vermelha.
Julho: Bical preta, Rijal ou de Saco.

Curiosidades sobre a cerejeira


Em média uma cerejeira leva 4 anos a produzir, mas este período pode ser condicionado por vários factores.
As cerejas devem deixar-se amadurecer na árvore, depois de colhidas devem ser consumidas, tão depressa quanto possível. Quando colhidas as cerejas devem ser retiradas com o pedúnculo, de modo a prevenir a ocorrência da podridão castanha.

Em Portugal a cerejeira é cultiva em várias localidades, principalmente no Norte, mas a região do fundão é a mais notória. A cereja do fundão goza de uma grande fama e reputação, assume uma forte importância agrícola e gastronômica.

Algumas variedades de cereira são cultivadas com a finalidade de produzir madeira nobre, apesar de também frutificarem os seus fruto não são tão doces. A madeira é valiosa e de muito boa qualidade, é dura e resistente, com borne amarelado e cerne avermelhado.

Nomes comuns: cerejeira, cerejeira da Europa, cerdeira, cereza (espanhol), cherry tree (inglês), cerisier (francês).

Como Cuidar a Orquídea Phalaenopsis

Como tratar as Orquídeas Phalaenopsis
A Phalaenopsis, também conhecida como orquídea borboleta, pertence à grande família das Orquidáceas. São originárias do Sudeste de Asia e atualmente são uma das flores mais cultivadas e mais populares do mundo. E não admira, a phalaenopsis é cativante, a sua flor quando bem tratada chega a durar 3 meses.
Pode florir o ano inteiro, contudo o Outono é estação forte da floração.

Na natureza as phalaenopsis crescem sobre as árvores, sem as parasitar. As suas raízes crescem e fixam-se sobre a superfície dos troncos, ficando algumas expostas à luz solar. Com isto as raízes das phalaenopsis evoluíram e desenvolveram cloroplastos, órgãos que permitem realizar a fotossíntese. Este é um dos motivos pelo qual encontramos esta orquídea à venda em vasos transparentes.

Como tratar uma orquídea Phalaenopsis


O melhor local para cultivar a Phalaenopsis: Ela aprecia locais com boa iluminação, sem sol direto, com temperatura amena e bem arejados. Podem ser cultivadas no interior ou no exterior, desde que se reúnam todas as condições e as temperaturas minimas não desçam abaixo dos 16º.

Rega da phalaenopsis: As regas devem ser moderadas, o substrato nunca deve ser encharcado, o ideal é borrifar a planta e deixar cair, algumas gotículas de água sobre as raízes. Não deixe gotas acumuladas no olho da planta e no cruzamento das folhas, limpe-as com um algodão ou um paninho, este procedimento é importante para prevenir o apodrecimento da via foliar.

Como estimular a floração da phalaenopsis: Colocar uma pequena quantidade de canela em pó sobre o subtrato do vaso da planta estimula a floração, não se sabe bem como e nem o porquê, mas resulta. Este truque não resulta funciona nas outras orquídeas, apenas têm exito com as phalaenopsis.

Aspetos sensíveis da phalaenopsis : Quando a planta apresenta folhas com aspeto murcho e curvadas para baixo, é sinal de que a  Phalaenopsis se encontra em lugar improprio, pode ser o substrato velho, vaso demasiado grande, zonas demasiado quentes, ou locais com pouca ventilação. Geralmente associa-se esses sintomas a falta de água e a tendencia normal do cuidador é de regar em excesso e isso vai levar ao apodrecimento da orquídea. Dependendo das condições observadas, o certo é mudar a planta de lugar, trocá-la de vaso ou de substrato.

Adubação da phalaenopsis: A adubação deve ser realizado com um adubo especifico a orquídeas, na doze e periodicidade recomendada no rótolo. Uma orquídea bem nutrida é menos suscetivel às doenças.

Poda da phalaenopsis: Os cortes devem ser executados com algum cuidado, pois quando os tecidos verdes são cortados, abre-se uma porta aos microrganismos nocivos. Porém pode cortar e selar a "ferida" com canela ou pasta dos dentes.

Transplante da Phalaenopsis


O transplante da planta e a mudança de substrato devem ser executados em média a cada 2 anos. Este período não deve ser ultrapassado, porque com o tempo o solo vai perdendo qualidades, vai apodrecendo, fica ácido e prejudica o desenvolvimento da planta.

A phalaenopsis deve ser cultivada numa mistura de casca de pinheiro, fibra de coco, espagnum, pedaços de carvão, ou até mesmo pedaços de cortiça. Misture pedacinhos de isopor, ele vai permitir manter o substrato mais leve e arejado. O ideal é que a mistura consiga reter alguma humidade, de modo a que as raízes consigam reter alguma água e assegure uma excelente drenagem.

Na hora da mudança deve-se retirar delicadamente todo o substrato velho da raiz. Com uma mão segura-se a planta com a outra vai-se colocando substrato novo à volta das raízes. O substrato não deve ficar compactado, as raízes da planta precisam de ar e de liberdade. A phalaenopsis deve ficar bem firme e presa, sustente-a com pauzinhos de espetadas ou arame rígido.
Depois da plantação faz-se a rega de modo a acomodar as raízes da orquídea.
Ao escolher o vaso tenha em atenção o tamanho, nenhuma orquídea gosta de vasos grandes. Prefira  os que apresentam bons orifícios de drenagem, poderá eventualmente fazer uns furos laterais, a phalaenopsis agradece.

Dica: Todas as orquídeas tem necessidades especificas, porém alguns cuidados são representativos a todas elas. Sugerimos que leia: Como ter orquídeas bonitas e saudáveis.

Foto: Pixabay
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...