12.07.2017

Cultivo da stevia

Cultivo e plantação da stevia a planta adoçante
 A stevia (Stevia Rebaudiana) é uma planta herbácea originária do Paraguai e actualmente é cultivada em várias partes do mundo. É uma planta perene de crescimento rápido, que pode manter o ciclo de vida por 4 a 6 anos. Apresenta um sistema radicular desenvolvido, caules erectos pilosos e frágeis, com folhas simples, inteiras e lanceoladas.
O grande potencial da stevia e a grande finalidade vai para a produção de adoçantes naturais, porém a planta também apresenta características e propriedades terapêuticas de grande interesse à saúde: Benefícios da stevia

As condições do clima e os cuidados determinam a produtividade e a qualidade do produto. A stevia é uma planta tropical, como tal gosta de clima quente e dias longos, mas apesar desta preferência a planta cresce bem noutras partes do mundo, apesar de apresentar um comportamento diferente. A planta aprecia solos ricos em matéria orgânica e húmidos, mas com boa drenagem. O pH do solo deve se situar entre os 5,5 e 7,5. Embora a stevia se desenvolva em pleno sol, ela prefere a meia sombra, onde apresenta um maior crescimento vegetativo. A temperatura ideal situada entre os 15ºC e o 30ºC.

Multiplicação e plantação da stevia

A maneira mais viável de multiplicação da stevia é por enraizamento de estacas, contudo também é possível fazê-la por sementeira apesar de ser menos plausível, pode originar uma variedade de plantas diferentes, não garantido a qualidade do produto.

Recolha uma estaca de stevia com aproximadamente 10 centímetros, certifique-se que não termina em flor. Retire 2 a 3 folhas da base da estaca e enterre essa porção em turfa humedecida e pressione o galho com os dedos. Mantenha a terra húmida mas sem exageros. Coloque os vasos em lugar quente e sombreado, fora da incidência directa dos raios solares.
Poderá também enraizar as estacas de stevia colocando as hastes da planta em água. Troque a água regularmente até as hastes enraizarem.

Ao cabo de aproximadamente 30 dias, dependendo das condições, começam a surgir brotos novos, nessa fase coloque a nova planta num local mais eliminado. Cerca de um mês depois, transplante directamente para o local definitivo, com o cuidado de não desfazer o torrão de terra.

Tratos culturais e colheita da stevia


Em condições equilibradas a stevia é resistente a fungos e a pragas. O excesso de regas, ou de adubos nitrogenados pode quebrar esse equilíbrio.

A stevia é uma planta que não tolera longos períodos de seca, exige que o solo mantenha sempre um nível de humidade adequada, de modo a proporcionar um nível de desenvolvimento satisfatorio. Durante o verão regue a planta diariamente, dando preferência à rega matinal. Na primavera e no Outono, as regas devem ser mais controladas, o ideal é ir vigiando de modo não encharcar o solo e manter uma suave humidade.

A stevia é muito sensível ao excesso de adubos químico, eles podem danificar gravemente ou matar a plantas. A melhor maneira de a nutrir será com matéria orgânica, que quando é de boa qualidade uma aplicação por ano é suficiente.

A remoção das ervas daninhas é essencial, a stevia não se dá bem com a concorrência, além disso as ervas daninhas podem contaminar o produto quando recolhidas acidentalmente junto com os raminhos da stevia.

A colheita é feita 3 a 4 vezes por ano, realiza-se com um corte proximo ao solo, deixando pelo menos um par de folhas, de modo a permitir nova germinação. O momento mais oportuno da colheita corresponde ao inicio da formação de botões florais, é nesta fase que a planta apresenta maior teor de carboidratos.
As folhas devem ser secas fora da incidência dos raios solares. Escolha um local quente escuro e seco, de modo a permitir uma secagem uniforme.

Curiosidades

No inicio do ciclo a stevia não apresenta ramificações, mas depois da primeira poda, chega a gerar aproximadamente 25 caules.

A China é dos maiores produtores de stevia, contudo as suas folhas não são tão doces quanto as produzidas na América do sul. A planta também começa a ser produzida noutros países, porém a comerciabilidade é um pouco mais difícil devido à competição de preços com a China.

11.30.2017

Cravo Túnico Tagetes sp

Uso do Cravo Túnico, cultivo e utilidades

O cravo túnico (Tagetes sp) é uma planta anual que apresentam uma floração exuberante e enriquece os cantinhos por onde passa. É cultivado com o propósito decorativo e de defender as plantas vizinhas. A associação dos cravos túnicos a outras culturas, permite obter resultados muitos positivos, ele actua como um insecticida natural, umas vez que toda a planta têm características que lhe permitem afastar vários tipos de pragas.

Utilidades do cravo túnico na horta


As características insecticidas do cravo túnico são úteis para repelir vários tipos de insectos e parasitas do solo. No solo afastam os nemátodos, as raízes dos cravos de defunto libertam substancias que repelem estes vermes parasitas. A planta proporciona bons resultados em diversas culturas, tais como o tomateiro, o feijoeiro e pimenteiro entre outros, porque o cravo túnico também têm a capacidade de repelir pulgões, mosca branca, ácaros e algumas lagartas.

A calda obtida do cravo túnico também têm acção repelente contra a mosca branca, pulgões, alguns tipos de ácaros e de lagartas. Coloque 1 kg de talos e folhas de cravo túnico em 10 litros de água. Deixe a macerar por dois dias, coe e borrife as plantas afectadas com esta calda. Poderá agilizar o processo, levar todos os ingredientes a ferver, deixar a arrefecer e usar na hora.

O aspecto decorativo é com certeza uma mais valia do cravo túnico. Atinge em média 30 a 40 cm de altura e floresce abundantemente no verão. É utilizado em vasos, floreiras, bordaduras e maciços. Oferece coloridos, exuberantes e apelativos, por mérito das suas flores que oferecem tonalidade bicolores que vão desde o amarelo, ao laranja até ao vermelho alaranjado.

Outras utilizações do cravo túnico:  Atrai insectos polinizadores e é utilizado nos jardins destinados à criação e atracção de borboletas. As flores e as sementes secas afastam as pulgas das camas dos animais. Repelem formigas, elas não toleram a planta e tendem a afastar-se (Como acabar com as formigas).

Cravo Túnico, cultivo e uso

Cultivo do cravo túnico


Os cravos túnicos são rústicos e crescem bem em qualquer solo, porém preferem solos moderadamente férteis, com boa drenagem e uma boa exposição solar.

A propagação do cravo túnico faz-se por sementeira preferencialmente na primavera. A sua germinação processa-se em duas semanas após a sementeira. Quando as plantas atingem o tamanho adequado faz-se o transplante em local definitivo, com 30 cm de espaçamento.

Apesar do cravo túnico ter características repelentes, não se livra do ataque de lesmas e caracóis que podem dizimar a planta num curo período. (Lesmas e caracóis como se livrar deles)

O cravo túnico é uma planta com um longo período de floração, como tal recomenda-se eliminar os talos e as flores secas, de modo a estimular nova rebentação e prolongar a floração.

Curiosidades sobre o cravo túnico


O nome tagetes, surgiu como uma homenagem a Tages o Deus da sabedoria, que atribuiu ao povo de Etrúria o dom de bem cultivar a terra

O cravo túnico de nome cientifico Tagetes sp, pertence à família das Asteraceae ou Compositae. Também é conhecido como cravo de defunto, flor de estudante, tagetes patula, rosa da Índia e cravo Francês.
É originário do México, onde era denominado como cravo de defunto e utilizado nos altares.