Cultivo do feijão - Phaseolus vulgaris

Cultivo do feijoeiro e colheita do feijão

Nome cientifico: Phaseolus vulgaris
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Fabales
Família: Favaceae
Gênero:  Phaseolus
Especie: P. vulgaris
Ciclo de vida: Anual

Características do feijoeiro


O feijoeiro é uma planta anual herbácea, da família das leguminosas. Têm grande importância na alimentação humana, ele é rico em nutrientes essenciais como proteínas, ferro, cálcio, carboidratos, fibras e vitaminas principalmente do complexo B. Existe um grande numero de variedades, estas variam no ciclo, na forma, cor, sabor e tamanho da semente e da vagem.

O feijão cru é toxico, ele contém lectina, uma substancia que não é processada pelo sistema digestivo humano e que pode desencadear respostas variáveis no nosso organismo como sensação de inchaço, dor no estômago, obstipação ou diarreia, vomito. Contudo essa toxidade é eliminada após a demolha e a cozedura a altas temperaturas, sendo o seu consumo totalmente seguro.

O feijoeiro assim como outras leguminosas têm uma associação simbiótica com uma bactéria conhecida como rizóbio, ela aloja-se na raiz da planta e têm a capacidade de captar e fixar o nitrogénio do ar. Esta particularidade faz do feijoeiro um bom aliado no melhoramento da fertilidade do solo.

Condições favoráveis ao cultivo do feijoeiro


O feijoeiro prefere solos leves e profundos, com boas capacidades de drenagem e ricos em matéria orgãnica..
Não suporta a geada e é sensível à baixa de temperatura, sendo que esta se deve manter entre os 15 e os 30º C, a temperatura ótima situa-se entre os 18 e os 25º C.
O cultivo do feijoeiro requer alta luminosidade com luz solar direta, contudo em regiões de forte radiação suporta sombramento parcial.

Sementeira e plantação do feijão


Pode ser cultivado desde os fins da primavera até até meados de outono. Existem muitas variedades desde as variedades trepadoras até às variedades anãs, sendo as segundas mais viáveis para uma produção mais precoce.

A germinação do feijão requer temperatura mínima superior a 10ºC, daí só ser aconselhada a sua sementeira a partir dos finais da primavera. Quando se pretende colheitas precoces é recomendado semear o feijão em tabuleiros ou vasos na na proteção de uma estufa de uma janela ensolarada.
Semear a semente de feijão a uma profundidade de 3 a 7 cm, com distancia de 15 x 60 cm entre sulcos nas variedades trepadoras e 8 x 45 cm nas variedades anãs.

Poderá manter uma produção regular de vagens de feijão destinadas ao consumo fresco, escalonando as sementeiras com espaço de 2 semanas entre si.

As variedades trepadoras requerem suportes fortes, com uma altura a rondar os 2 metros. Tradicionalmente usam-se as canas, mas atualmente é bastante recorrente optar pelo uso de paus de madeira ou postes tratados,  ligados entre si por arame ou  fio resistente (Tutoramento do feijão de atrepa).

Tratos culturais da planta do feijão


Antes da sementeira ou plantação enterrar uma quantidade generosa de matéria orgânica.
Se optar pela adubação química deve dar dar preferência a um adubo rico em fosforo e potássio. A cinza de madeira também têm uma quantidade generosa destes dois elementos (As vantagens da cinza na agricultura).

Execute uma sacha no primeiro mês de cultivo, de modo a arejar o solo e remover as ervas invasoras que disputam com o feijoeiro pelos nutrientes, após esta operação amontoe a terra à volta da planta.

A rega deve ser regular, de modo a manter o solo húmido mas não encharcado. A partir da floração a planta requer mais humidade, aumente a frequência das regas. A falta de humidade pode comprometer a formação da flor.

Pragas e doenças do feijoeiro


A contaminação mais comum denomina-se por Ferrugem (Uromyces appendiculatus), consiste no amarelecimento das folhas e aparecimento de pequenas pontuações esbranquiçadas e ligeiramente salientes. Provoca danos nas folhas, nas vagens e todas as outras partes verdes. A ferrugem do feijoeiro pode causar danos tanto mais severos quanto mais cedo ocorrer no ciclo da cultura, sendo que as epidemias severas são favorecidas pela ocorrência regular de orvalho e temperaturas moderadas.

Numa fase inicial as lemas e os caracóis podem provocar grandes danos aos feijoeiros, contudo com algumas medidas podem ajudar a controlar a praga e atenuar os estragos. (Ver como controlar caracóis e lesmas)

O pulgão e a psila são algumas das pragas recorrentes do feijoeiro, contudo devem-se tentar os métodos naturais para as controlar e só em caso de insucesso é que se deve partir para os meios químicos (Calda inseticida de sabão)

Em épocas húmidas a podridão cinzenta causada pelo fungo brotrytis pode causar danos à cultura. A melhor forma de a prevenir é assegurar uma boa ventilação à volta das plantas.


Colheita e armazenamento do feijão


Dependendo da variedade a colheita do feijão verifica-se 80 a 100 dias após a sementeira. Nas plantações de maiores dimensões a colheita é realizada quando 90% das vagens se apresentam secas. É recolhida a planta e colocada a secar ao sol e posteriormente efetua-se a malhagem.

Apanha da vagem verde deve ser regular, de modo a estimular a formação de novas flores e a formação de novas vagens.

O gorgulho é um grande inimigo no armazenamento do feijão seco. Meta o feijão seco na arca congeladora por dois dias ou mais, esta prática natural é infalível no combate desta praga.


Sem comentários:

Enviar um comentário